GENEROSIDADE, HUMILDADE, AFETO E FORÇA ENTRE MULHERES EMPREENDEDORAS

Com o tema “A hora da virada” o evento aproxima empreendedoras reconhecidas daquelas que ainda buscam seu lugar ao sol.  Seus relatos generosos contam histórias de pessoas comuns que atravessaram desafios pessoais e profissionais, realizaram sonhos e querem ir além

Recebo no e-mail o convite para mais um Café Itaú Mulher Empreendedora em Belo Horizonte! Dessa vez o tema é “momento da virada”. Me fisgou! Vale a pena criar espaço na agenda, mesmo que signifique abrir mão da academia nesse dia. Me lembro dos encontros anteriores que foram tão ricos, fiz relacionamentos com empreendedoras de perfis diversos e todas com serviços e produtos de alta qualidade, além de acessar conteúdos relevantes e relatos inspiradores de mulheres empreendedoras de diferentes setores e trajetórias.

Meu momento da Virada: Para variar, o evento mexeu comigo. De cara, encontro com Renata Horta, sócia fundadora do Tropos Lab, cuja missão é estimular empreendedores de alto impacto a mudarem o mundo, por meio do programa Ginga, e outras iniciativas.  Trabalhei com a Renata em 2010 e 2013. Ela coordenava um programa do governo de Minas para criar cultura de empreendedorismo entre os pesquisadores das universidades públicas. Fui responsável pela Comunicação do Programa nas duas edições. Mas especialmente em 2010, me lembro da Renata dizer: “A pessoa que mais sabe de Comunicação aqui é você. Se você acredita que essa é a coisa certa a se fazer, convença-nos e faça. Se errar, errou”. Eu me lembro de sentir meu mundo virar de cabeça para baixo e ao mesmo tempo, de me sentir ineditamente livre e forte. Em seguida, decidi tomar aquilo como desafio e missão.

Conclusão? 2010 foi o ano em que mais cresci pessoal e profissionalmente na minha vida. Foi um período intenso de trabalho, aprendizados e descobertas. Hoje sei que foi meu ano de virada – como o tema do evento! Decidi cuidar de mim, acreditar em mim e aprender tudo que podia ao meu redor. Muitas águas e pessoas passaram sob essa ponte, e no final de 2011 descobri que meu caminho era empreender e que minha vocação era fazer Comunicação de qualidade para as empresas que eu via nascer no universo de empreendedorismo e inovação tecnológica. Ufa! Me achei. Não há antagonismo entre trabalho e vida pessoal – um sendo o lugar do sofrimento e o outro sendo o lugar do prazer. E viver intensamente a busca pelo trabalho com propósito, com tudo que isso significa em termos de escolhas de vida exige coragem!

Humildade: Em seguida, vem a Danyelle Van Straten, da Depyl Action. Eu já conhecia sua história de ouvir falar e ler a respeito. Mas nada como ouvir a história contada pelas palavras e voz da própria empreendedora, não é mesmo? Eis que entra uma mulher linda, com uma luz própria e uma leveza muito peculiar. Diante de tudo que nos relata sobre os 20 anos entre a criação da Depyl e os dias atuais, é difícil acreditar como ela “não perdeu a ternura”. Os relatos sobre a separação da mãe, que permaneceu em Santa Catarina, e a mudança para Belo Horizonte com foco na rede de franquias, a escolha da capital mineira movida por uma história de amor, um ano trabalhando de casa, a dúvida sobre: “vou conseguir pagar o aluguel de R$ 800,00 ?” na primeira loja, o fato de não ter curso superior… nos revelaram a pessoa por trás da mulher de negócios. Dificuldades pessoais e profissionais a acompanharam sempre. Mas ela não se deixou abater e seguiu adiante. Hoje é mãe e empreendedora. Mas lá atrás era a filha da mulher que sonhava em oferecer uma experiência de depilação menos dolorosa e constrangedora. Em sua fala, Danyelle enfatiza a relação com sua mãe – homenageada nas tulipas rosas da marca da Depyl Action – e ressalta a gratidão pela primeira sócia que resolveu investir no negócio. Afeto do início ao fim. E muita visão de negócio, coragem e persistência para transformar um mercado que representava apenas 5% do faturamento dos salões há alguns anos em uma franquia inovadora, que hoje é desejo de consumo de mulheres por todo o país. Seu “lado B” é motoqueira. É seu momento consigo mesma, longe de tudo, concentrada apenas na Harley Davidson, ela se desconecta e se reenergiza.

Generosidade: Para encerrar, vem a Hélida Mendonça, da Forno de Minas. Hélida abriu seu coração desde o início, traçou passo a passo as viradas que a vida deu, desde o nascimento – quando “desvirou dentro da barriga da mãe” e nasceu sentada de “parto normal” – , passando pela morte do pai, mudança de cidade, desafio da mãe de sustentar os quatro filhos sozinha, as viagens, o trabalho de babá no exterior até a formatura em Psicologia e o casamento. Ufa! Em 1989, o pão de queijo entra nessa história. A convite do irmão e com a mãe, Hélida inicia a longa e deliciosa trajetória da marca Forno de Minas. Negócio familiar, mineiro, baseado em um produto tradicional e cheio de significados, enfrentou muitos desafios para se firmar. “Na época, todo mundo fazia em casa, porque alguém iria comprar congelado? Devido à cor, as pessoas me perguntavam se a gente colocava corante e eu explicava que era ovo caipira. Achavam que congelar prejudicava o sabor, e eu explicava que o congelamento mantinha os sabores”. Para garantir o pão de queijo de qualidade, outro negócio teve que nascer: um laticínio para produzir o queijo no padrão desejado. Afinal, esse era um dos diferenciais, criar um pão de queijo sempre igual e de alta qualidade. O resto da história é conhecido: venda para multinacional em 1999, seguida de queda de qualidade. A família recompra a fábrica e convida os ex-funcionários para trabalhar em 2009. E começa novamente o processo de padronização e reconquista da confiança e credibilidade “processo de longo prazo, você leva uma vida para construir”. Hoje a Forno de Minas colocou o pão de queijo mineiro nos cinemas americanos e em muitos outros países e é um símbolo da cultura e tradição mineira que pode ser experimentado em qualquer lugar do mundo. Hélida cuida ainda de duas escolas rurais a que chama de “meus filhos”. Mas de fato, tem 3 filhos e diz gostaria de ter mais! Nas horas vagas, gosta de dançar com eles, deixando fruir a mulher dentro da empreendedora. Quando o coração manda, foge da academia e caminha por aí, com a máquina fotográfica na mão, registrando o que a toca pelo caminho.

Afeto e Força

A amiga designer da plateia pergunta sobre o papel das mulheres empreendedoras na construção das marcas. Danyelle responde que não sabia o poder de contar sua história e achava que ninguém queria saber disso. Mas ao contratar uma empresa para fazer uma campanha de publicidade, descobriu que sua história (e de sua mãe), falam por si e ajudam a fortalecer a marca por onde elas passam. Já Hélida relata que enfrentou preconceito e teve medo de assumir seu negócio como familiar e mineiro – e eu acrescentaria “com 2 mulheres no comando”. “Não tenham vergonha!”, ela encerra. Renata compartilhou que seu principal erro foi não confiar em si em um momento em que a Ginga precisava de sua atuação como principal líder. Em seguida, percebeu qual era seu papel e assumiu integralmente o desafio. As empreendedoras falaram ainda de marca, comunicação e como buscam o equilíbrio interno diante dos desafios do mundo exterior.

Uma questão fica muito clara: há um jeito feminino de empreender , gerir negócios e se comunicar . E esse jeito deve ser cultivado, respeitado, valorizado e disseminado. A busca das mulheres por direitos, respeito e espaço ainda está no começo e deve ir muito adiante. Mas a necessidade de se comparar e igualar ao homem pode muitas vezes afastá-la do que há de mais essencial em cada uma de nós: nossa feminilidade! Esse poder que é delicadeza, afeto, generosidade e força, mas uma outra força, muito diferente da masculina.

Saio de lá com aquela coceirinha, aquela pulga atrás da orelha: “estou fazendo tudo que podia com os meus talentos? Estou realizada? E aquele projeto? E aquela paixão? Por que não retomá-los? Se elas fizeram e fazem tanto com as oportunidades que têm, se elas seguem em frente, mesmo com os problemas, se elas não se cansam de aprender, porque eu deveria parar por aqui?” (haja espaço na agenda e energia para tanta ideia e tanta paixão!!!)

mq     Rua Aimorés, 612 - Funcionários. CEP: 30140-070 - Belo Horizonte - Minas Gerais. Tel: (31) 8811-6130.